Na cidade de Coqueiral – MG no período de setembro a novembro de 2017 foi realizado o segundo programa piloto do curso de Sucessão Familiar no campo. O curso foi promovido pelo SENAR – MG em parceria com o Sindicato dos Produtores Rurais e a Fundação Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil. Albert Franz Nether Nassau foi o  instrutor do Senar responsável por ministrar o curso.

A metodologia aplicada possibilitou trabalhar temas da empresa rural, gestão do agronegócio, estratégias de crescimento e principalmente o processo de sucessão da atividade agrícola. Identificou os temas complexos que envolvem a descontinuidade do negócio rural e apontou as oportunidades que o setor apresenta aos produtores e aos seus filhos.  A programação foi aplicada em módulos, com consultorias nas fazendas.

O processo de sucessão deve ser feito considerando os três pilares: patrimônio – negócio – família. E o trabalho tem que ser construído ao longo do tempo, onde pais e filhos devem caminhar juntos. A experiência e as filosofias diferentes têm dificultado os filhos a tocarem o negócio rural. A proposta é mudar essa concepção e os participantes estão dispostos a romper as barreiras e investir na continuidade.

Um dos principais objetivos do programa é também conscientizar jovens filhos de cafeicultores de que uma propriedade rural não deve ser considerada como uma “herança”, mas sim como uma empresa rural na qual é necessário uma boa gerência, conhecimentos e um plano de sucessão. Sem este conhecimento, o negocio familiar corre um maior risco de tornar-se insustentável e o jovem terá que ir para cidade em busca de outro meio de vida, gerando outro problema.

Em depoimento o aluno Renan Marcos Araújo, de 20 anos afirmou: “Eu vou fazer de tudo para não deixar a fazenda acabar. Quero fazer um curso técnico e dar sequência ao trabalho que começou com o meu avô.” . O programa conta com a participação de duas mulheres: Lívia Vanessa Ferreira, de 18 anos, e Dyovana de Souza Gabriel, de 16 anos. As duas são da terceira geração da família e o desejo delas é dar sequência ao trabalho.