A sexta sessão da Comunidade de Prática “adaptações às mudanças climáticas” – CoP ocorreu nos últimos dias 19 e 20 de março sob o tema “Aumento de água nos agroecossistemas cafeeiros”. O evento decorreu na cidade de Aimorés- MG, onde está localizado o Instituto Terra – IT, organização sem fins lucrativos que desempenha um importante papel na região, trabalhando no reflorestamento, manutenção e perpetuação de espécies nativas da Mata Atlântica, assim como a preservação/recuperação de nascentes ao longo da Bacia do Rio Doce.

Na sessão foram abordadas diferentes experiências relacionadas com o Programa de Conservação e Restauração da Mata Atlântica que impactam no aumento da quantidade e melhoramento da qualidade d’água. O Instituto Terra, a S.O.S Mata Atlântica e a Agência Nacional de Águas demonstraram as ações realizadas desde o planejamento dos programas, até a obtenção e reconhecimento dos serviços ambientais neste bioma. Além disso, especialistas da Universidade Federal de Viçosa – UFV desenvolveram materiais para apresentações teóricas e também exercícios práticos sobre recuperação de áreas degradadas, técnicas de manutenção de água no solo e de manejo e gestão da irrigação, especialmente em estabelecimentos familiares. A FAEMG instruiu os participantes sobre o marco legal da política ambiental e das oportunidades para o setor cafeeiro com o cumprimento do CAR e a adesão ao PRA.

As abordagens possibilitaram problematizar a situação atual da Mata Atlântica, bioma onde se distribui grande parte do parque cafeeiro brasileiro. Também foi possível, de forma vivencial e prática, conhecer boas práticas ambientais e agrícolas orientadas a potencializar o aumento da quantidade e o melhoramento da qualidade d’água nas áreas de recarga, áreas de proteção permanente e nas áreas consolidadas de produção.

A visita de campo decorreu na propriedade do senhor Wilfrid Zumach, onde seu filho Heitel Zumach (21 anos) assumiu a condução do empreendimento familiar. Eles são beneficiários do Programa Olhos d’água do Instituto Terra. Dentre os pontos de destaque podemos citar a sensibilização ambiental dos membros da família, o empenho do jovem produtor para conservar os recursos naturais, em especial as nascentes d’água, recurso escasso na região. No alto da propriedade, os membros da CoP plantaram espécies nativas da Mata Atlântica na área de proteção permanente – APP. Por fim, desafios e alternativas da gestão da irrigação foram discutidos para promover o melhor uso e aproveitamento do recurso hídrico.

O evento contou com a presença de palestrantes e membros representantes de diversas instituições como: COOPASV, SECRETARIA DE DESENVLVIMENTO ECONÔMICO DE AIMORÉS, UFV, COOCAFÉ, GCP/P&A, CECAFÉ, HRNS, CONSULTORES INDEPENDENTES, COOABRIEL, EPAMIG, S.O.S. MATA ATLÂNTICA, COMITÊ DE BACIAS HIDROGRÁFICAS DO RIO GRANDE/PREFEITURA DE LAVRAS, MUNDO VERDE PROJETOS AGROPECUÁRIOS, SECRETARIA DE AGRICULTURA PECUÁRIA E ABASTECIMENTO DE AIMORÉS, EXPORTADORA DE CAFÉ GUAXUPÉ, COOXUPÉ, NESTLÊ, INCAPER, PRODUTORES DA REGIÃO, IT e FAEMG.

Seguindo nosso currículo de aprendizagem e concomitante com a agenda cafeeira, a nossa 7° sessão da CoP trará o tema “Qualidade de café no contexto das mudanças climáticas – práticas de manejo, colheita e pós-colheita” para ser discutido juntamente com os membros e pesquisadores relevantes da cadeia.

Nossa próxima sessão acontecerá na cidade de Lavras – MG, dias 25 e 26 de junho.

Esperamos por vocês!!!

Declaração 6a sessão Comunidade de Prática