Em parceria com a Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (EPAMIG), a Fundação Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil, realizou nos dias 15 e 16 de março, dois “Dias de Campo em Cafeicultura”. As atividades se desenvolveram nos municípios de São Francisco de Paula e Perdões no sul de minas, em propriedades de cafeicultores familiares atendidos pelos projetos da HRNS do Brasil e que foram selecionados pela EPAMIG para instalar campos demonstrativos sobre Boas Práticas Agrícolas dentro da Iniciativa para café&clima. As principais técnicas aplicadas nos campos foram: variedades melhoradas, poda e adubação fosfatada.

O primeiro dia, no campo do Sr. José Reis de Rezende em São Francisco de Paulo, contou com a presença de 50 produtores. No local foram montadas 3 estações com os seguintes temas e palestrantes:

  • Estação 1: Cultivares de café, por Gladyston Rodrigues Carvalho e César Elias Botelho (Pesquisadores EPAMIG) e Alessandro Meirelles (Bolsista CB&P/Café);
  • Estação 2: Manejo da broca do café, por Érika Carla da Silveira (Bolsista EPAMIG/FAPEMIG);
  • Estação 3: Práticas de adaptação às mudanças climáticas, por Fernanda Aparecida Faria (Coordenadora da Iniciativa café&clima no Brasil).

O segundo dia, no sítio do Sr. Arnando Antônio Carvalho, localizado no município de Perdões, contou com aproximadamente 60 pessoas. Os temas desenvolvidos nas estações e seus palestrantes foram:

  • Estação 1: Cultivares de café, por Gladyston Rodrigues Carvalho e César Elias Botelho (Pesquisadores EPAMIG) e Alessandro Meirelles (Bolsista CB&P/Café);
  • Estação 2: Adubação fosfatada em cafeeiro, por Paulo T. Gontijo (Pesquisador EPAMIG) e Kaio Gonçalves (Bolsista CB&P/Café);
  • Estação 3: Práticas de adaptação às mudanças climáticas, por Fernanda Aparecida Faria (Coordenadora café e lima/ HRNS do Brasil).
  • Estação 4: Manejo da lavoura cafeeira e qualidade do café, por Sra. Sara M. Chalfoun de Souza (Pesquisadora EPAMIG).

Durante ambos os dias de campo os produtores puderam conhecer boas práticas agrícolas de adaptações às mudanças do clima e novas variedades tolerantes a pragas e doenças, bem como aprimorar suas formas de manejo da lavoura. De forma integradora, o dia de campo une pesquisa e técnica, sendo realizado no próprio cafeeiro, de modo que os produtores possam adquirir conhecimento e ver, na prática, como e quais são as técnicas e inovações utilizadas na cultura que trazem grandes benefícios para o sistema.

Arnando Antônio de Carvalho

Segundo o produtor Arnando Antônio de Carvalho “a participação em dias de campo e reuniões na comunidade juntamente com as visitas dos técnicos da Fundação me auxiliaram a adotar técnicas de manejo na propriedade que estão apresentando resultados satisfatórios. Por exemplo, o uso da brachiaria na entrelinha do café, seguido pela roçada alternada, a captação da água de chuva por meio de um abrigo no meio da lavoura, plantio de quebra-vento, proteção das nascentes e manejo de pragas e doenças no momento correto são práticas implantadas com bons resultados”.

A pesquisadora Drª Sara Chalfoun, destacou que “os dias de campo são importantes para o contato, à troca de experiência com os produtores, nivelando a oferta de conhecimento e a necessidade dos produtores, sendo considerada por ela uma ferramenta efetiva de difusão de resultados”.

Nós da HRNS do Brasil, agradecemos a EPAMIG pela parceria e esperamos poder continuar com essa iniciativa que consegue unir pesquisadores e produtores afim de levar conhecimento aos produtores e aprimorar suas atividade no setor.