A Coorpol – Cooperativa Regional Industria e Comercio de Produtos Agrícolas do Povo que luta – com sede em Manhuaçu, na região das Matas de Minas realizou na última semana o “Primeiro Encontro de Mulheres Especiais do Café”, que teve como foco trabalhar assuntos relacionados a pré e pós colheita na preparação de cafés especiais, além do lançamento do “III Concurso da Coorpol de Café das Mulheres.”

A coorpol é uma das cooperativas participantes do projeto que a Hanns R. Neumann Stiftung do Brasil   executa na região graças ao apoio do  ICP – International Coffee Partners. O Evento foi realizado pela Coorpol em parceria com a  Emater local. A HRNS apoiou na realização do trabalho de divulgação do evento.

A abertura do evento foi feita por Flânio Alves, que é secretário da Agricultura de Manhuaçu e também integrante da Coorpol.  Logo após, houve a palestra sobre as Perspectivas de Mercado 2018/2019 com Fábio Júnio de Oliveira. Em seguida, Cintia Matos, presidente da IWCA Brasil, palestrou apresentando o trabalho da Aliança Internacional das Mulheres do Café – (IWCA). O extensionista da Emater Tiago Braga de Oliveira encerrou as palestras do evento com os temas: Produção de cafés de qualidade; Fatores que afetam a qualidade do café na pós-colheita; Determinação do ponto da colheita – modalidades de preparo de café.  Após o encerramento das palestras houve uma visita técnica em uma propriedade da região.

Em depoimento Cintia Matos da IWCA comentou: “Nós da Aliança Internacional das Mulheres do Café, temos como objetivo estar andando junto e apoiar essas organizações. Então esse primeiro encontro que a Coorpol está fazendo e vinculando a essas mulheres aos cafés especiais é de muita importância, porque elas estão vendo que o café especial é também gestão e organização e não apenas uma bebida na xícara”.

A produtora Hercileia de Lourdes Oliveira, da Comunidade Palmeirinha, comentou que o evento mostra a importância das mulheres na produção do café e que iniciativas como esta  ajudam a qualificar e incentivar a produção de cafés especiais. Já a produtora Marilza Ângela da Costa Damásio, da comunidade Gavião São Geraldo, concluiu que o evento de hoje, foi um incentivo a mais para as mulheres que estão pensando em produzir um café especial e que com certeza este encontro conquistou outras mulheres a fazer café especial.